ASPECTOS: A formação de Lavras do Sul até sua emancipação em 1882

ASPECTOS: A formação de Lavras do Sul até sua emancipação em 1882
O território lavrense possui um grande valor geográfico, geológico e rural, dando origem à mineração e grandes fazendas. Na foto, Rebanhos de ovelhas: relevo de coxilhas, pouco depois de Lavras (RS) - 1959 (FONTE: IBGE Cidades)

Ao final do século XVIII o trabalho dos bandeirantes Simões Pires e Brito Peixoto cada vez mais incursionava às barrancas do Rio Camaquã. É a primeira notícia que se tem da busca do ouro, que sempre esteve presente na história de Lavras do Sul. Estes informes partiam dos índios habitantes da região e que chegavam a Rio Pardo, a quem pertencia a região das possíveis jazidas.

Lavras, denominação natural em virtude das características da sua formação, passou a atrair portugueses e espanhóis. Nos primeiros vinte anos do século se instalaram os primeiros engenheiros, advindo os primeiros núcleos, sempre dentro dos objetivos de exploração do subsolo.

Em 25 de outubro de 1831, o núcleo, já significativo, desmembra-se de Rio Pardo para integrar-se ao território de Caçapava do Sul.

Continuavam os trabalhos de mineração, cresciam as esperanças nos campos e começam as notícias do engajamento das convicções religiosas, surgindo o primeiro templo, em 1846.
Marcante na época, o templo religioso passou a ser o centro de gravitação, pois além das religiosas, as atividades políticas do lugar ocorriam em seu interior.

O português Antônio Lobo e o aventureiro espanhol Luciano Uriarte providenciam as primeiras casas de alvenaria.

Na metade do século surge a necessidade de uma administração para o povoado Santo Antônio das Lavras. A diversificação dos estrangeiros na operação de garimpo causa desordens, porquanto aventureiros das galés portuguesas e espanholas, eram enviados por seus governos às "selvas americanas", visando aliviar as suas prisões.

É formada então uma junta governativa que reuniu os três poderes, Executivo, Legislativo e Judiciário.

Em 1850 instala-se a Primeira Câmara, ilegalmente constituída mas rigorosamente obedecida. Era uma trindade que representava a ordem constitucional de então. A freguesia de Santo Antônio das Lavras era dirigida por um Intendente, a quem cabia a superintendência dos negócios públicos, um Juiz de Paz, que legalizava os atos públicos e um Delegado de Polícia, a quem correspondia a ordem pública.

Os atos civis e religiosos tinham como centro a pequena capela, já aí denominada de Império.
Encerrada a Guerra do Paraguai, a mineração toma grande impulso com a chegada de uma companhia inglesa (Gold Mining Company) formada de capital privado. O povoado experimentou grande progresso, destacando-se a direção da referida empresa, exercida pelo engenheiro de minas William Chalmer, que trouxe junto consigo grande número de artífices (pedreiros, carpinteiros, padeiros, etc.).

A sede da Gold Mining, construída em 1872 ainda existe, mesmo mutilada pelo tempo, mas significa um marco histórico ao áureo povoado que na época experimentou franco progresso.
Em 1882, no dia 9 de maio, a Freguesia de Santo Antônio das Lavras emancipa-se de Caçapava do Sul. O desenvolvimento e autonomia para gerir seus próprios negócios, impuseram a independência, passando à categoria de Vila, estabelecendo-se então, a sua administração, como vila autônoma, graças a lei provincial nº 1364.

Texto adaptado de alunos da Escola Dr, Cláudio Teixeira Bulcão, em trabalho realizado em 2016, dentro do Projeto A União Faz a Força.