Localizado na Microrregião da Campanha Meridional, de acordo com o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), o Município de Lavras do Sul, emancipado de Caçapava do Sul no dia 09 de maio de 1882 (ou seja, em 2017, completa 135 anos de existência), é o maior do Rio Grande do Sul com pequeno porte e em área (7.899 habitantes em 2015, distribuídos em uma área de 2.601 km²). Está localizado entre Caçapava do Sul (ao norte) e Bagé (ao sul), além de fazer divisa com Dom Pedrito, São Gabriel, Santa Margarida do Sul, Vila Nova do Sul e São Sepé, formando cerca de 400 km de perímetro municipal. No município, mais precisamente na divisa com Dom Pedrito, estão as nascentes formadoras do Rio Camaquã. Possui uma grande riqueza hidrográfica, geológica e mineral, com seus acidentes geográficos sendo objetos de estudos de pesquisadores de vários países.

As paisagens, típicas do Pampa Gaúcho, são peculiares, onde encontramos tabuleiros extensos, morros arrendondados, coxilhas e, nas regiões mais distantes da sede municipal, banhados e planícies. Há a ocorrência de pequenas serras, como a da Mantiqueira e a do Ibaré, resultantes dos dobramentos antigos e da formação do planalto Sul-Rio-grandense.

A vegetação é diversa e variada. Há espécies nativas e de outras regiões espalhadas pelo território lavrense. A fauna é ampla: pelo menos 180 espécies de aves já foram registradas no município, podendo haver bem mais. Além disso, grupos de animais como mamíferos, anfíbios, répteis e insetos apresentam abundância de registros.

A hidrografia lavrense tem como símbolo o fato de o Município (região da Meia Lua, divisa com São Gabriel) ser o divisor de águas de três Bacias Hidrográficas do Rio Grande do Sul: Guaíba, Atlântico Sul e Santa Maria / Uruguai). O Marco Gaúcho das Águas foi construído em 2004 pelo Governo Estadual para simbolizar a união das águas gaúchas.

O clima de Lavras do Sul apresenta temperatura média de 12°C no inverno e 24°C no verão (a média anual é de 18°C). Cerca de 1.200 a 1.500 mm de chuva são registrados em média todos os anos, segundo o sr. Luiz Fernando Saraiva de Souza, monitor oficial da pluviosidade no município. Podem ocorrer cerca de 15 a 30 geadas durante os meses mais frios. Não há estações meteorológicas oficiais em Lavras do Sul, mas a Rádio Pepita FM informa constantemente os dados de temperatura durante sua programação. O relógio do Banco Sicredi, na Praça das Bandeiras, é outra fonte de informações sobre as temperaturas em tempo real.

Lavras do Sul apresenta um grande potencial turístico. Além dos turistas que possuem familiares na cidade, há uma grande movimentação de pessoas de cidades vizinhas e também de outros locais do Estado e do País, sobretudo nos meses de verão, com o objetivo de acampar no Balneário do Paredão ou de passar o Carnaval e as férias de verão na cidade.

Topografia e Relevo

Com relação às altitudes dentro de sua superfície, Lavras do Sul apresenta cotas, na sua metade centro-oriental, com números que variam entre 200 e 460 metros em relação ao nível do mar. A sede do município está situada numa média de 300 metros (277 metros junto às margens do Arroio Camaquã das Lavras, e entre 320 e 380 metros, nos pontos mais elevados, como na Avenida Cacildo Delabary, nos altos da Vila da Olaria e junto ao Sindicato Rural, na saída para São Gabriel. O Distrito do Ibaré tem uma altitude média de 250 metros.

Nos setores norte e sul da porção centro-oriental, há um extenso planalto, com diversos cerros e morros. As maiores elevações encontram-se nessa região.

Em Lavras, podemos notar uma relevante observação geográfica: entre o Ibaré e a Sede existe um divisor natural de águas entre as bacias hidrográficas do Camaquã (integrantes do sistema Sudeste [ou Atlântico]) e do Rio Santa Maria (integrante da bacia do Uruguai, inserida no sistema hidrográfico do Estuário do Prata). Nesta área, com média de 350 metros de altitude, além de belas formações rochosas, bastante antigas e erodidas, podemos encontrar diversas fazendas, utilizadas principalmente para a criação de gado.

Vegetação e Hidrografia

A vegetação é caracterizada por uma mata densa na porção leste e por campos na porção oeste.

Há uma mistura de espécies de plantas encontradas no território brasileiro, como os cactus. Há também gramíneas e elementos de campo nativo em 83% do território lavrense, destacando-se na preservação dos campos naturais, promovendo biodiversidade e criação qualificada do gado produzido no Município.

Em Lavras do Sul encontra-se na divisa dos três principais sistemas hidrográficos do Rio Grande do Sul: o do Guaíba, o do Uruguai/Santa Maria e o do Camaquã. Este encontro, na forma de monumento, está localizado na divisa na localidade da Meia Lua, divisa com São Gabriel: o Marco Gaúcho das Águas.

O Rio Camaquã das Lavras banha a Sede Municipal e, junto com os arroios do Hilário e Jacques, formam o Rio Camaquã.

O Segundo Distrito (Ibaré) também tem sua porção urbana banhada por um arroio.

Clima

Subtropical úmido, com as quatro estações bem definidas. A média anual é de 18°C (10°C no inverno e 24°C no verão). Podem ocorrem de 15 a 30 geadas anualmente. As chuvas são regularmente distribuídas ao longo do ano (entre 1.200mm e 1.600mm), podendo alternar com períodos de estiagem.


Vista parcial de Lavras do Sul/RS - FOTO: Prefeitura de Lavras do Sul (anos 2000)