Vídeo com fotografias históricas de Lavras do Sul


Características Históricas

A Origem de Lavras do Sul é peculiar no RS e vem da mineração.

A história de Lavras do Sul está muito ligada à existência das ricas jazidas de ouro, sendo assim o único município do Estado surgido e formado em torno deste mineral. Há uma identificação de mais de 250 anos com a mineração, o que fez com que Lavras recebesse o cognome de “Terra do Ouro”.

Antiga aldeia dos índios Guenoas, o território lavrense fez parte das missões jesuíticas, começando a ser colonizado a partir do final do Século XVIII. Segundo o livro "Município, teu nome é sucesso", de Giovani Cherini, publicado pela Assembleia Legislativa em 2001, as terras de Lavras do Sul são originadas de Bagé e Caçapava do Sul, que, por sua vez, pertenciam a Rio Grande e Rio Pardo em outrora. Estima-se na data de 1825 o início do povoamento da região, embora portugueses, espanhóis e índios já exploravam a mineração antes disso, por volta de 1796 (ano em que ocorreu a primeira descoberta de ouro na região), acreditando-se terem vindo para o sul juntamente com os bandeirantes paulistas.

A exploração do ouro (lavra) deu origem ao nome do Município, que já teve a denominação "Santo Antônio das Lavras". A atual Igreja Matriz está construída no mesmo local da capela originária.

Lavras do Sul foi emancipada em 9 de maio de 1882, uma terça-feira [1], e passou a ser uma cidade em 1938.

O solo do Município era muito semelhante aos das terras de Mato Grosso e Minas Gerais, atraindo diversos garimpeiros e aventureiros de várias partes do mundo para as terras lavrenses do sul e as águas do Arroio Camaquã das Lavras.

O nome oficial Lavras do Sul foi definido em 29 de dezembro de 1944. O curioso é que o nome da cidade quase se tornou Araíuba (“lugar do ouro”), por conta de um decreto do Governo na época, que disciplinava os nomes das cidades de acordo com suas origens e descendências, ideia que acabou sendo engavetada.

A primeira grande companhia de extração de ouro surgiu no Município em 1875, a Gold Mining Company, de capital inglês, responsável por um grande crescimento e progresso. Funcionou por mais de uma década, tendo os minerais extraídos no solo lavrense cotados como capital na Bolsa de Valores de Londres.

"No fim do século XVIII já havia garimpagem na região. A tradição oral, sem que se tenha algum documento que comprove, conta que nos primórdios da mineração foi descoberta uma grande pepita de ouro com o formato da imagem de Santo Antônio, num remando do arroio Camaquã, que hoje banha a cidade. Por essa razão aquela garimpagem recebeu o nome de Santo Antônio das Lavras ficando como padroeiro da localidade o milagroso santo." (Centenário Lavras do Sul. Comissão Central das Comemorações do Centenário de Lavras do Sul. Bagé: Quadra, 1982).

Uma figura histórica do nosso município foi o sr. Francisco Pereira de Macedo, que era proprietário da Estância do Serro Formoso, que foi construída em 1870 para receber o Imperador Dom Pedro II e sua comitiva que, no início da Guerra do Paraguai, se dirigia para Uruguaiana. Após um grande cerimonial e a esta visita, anos depois, em 1872, Dom Pedro II concedeu ao sr. Francisco Pereira de Macedo o título de Barão de Serro Formoso e, em 1884, o título de Visconde do Serro Formoso. O Visconde foi um dos primeiros fazendeiros a libertar seus escravos, e quatro anos antes da Lei Áurea, em 1888, já não havia mais escravos em território lavrense.

Curiosidades

As ruínas do Prédio da Gold Mining Company estão situadas na Rua João Moreira e tratam-se da primeira edificação relacionada à extração do ouro em Lavras do Sul. Ao que consta, sua data de construção é 1875. Apresenta elementos em ferro, zinco e amianto e tem estruturas supostamentes trazidas de fora do continente americano. É um dos prédios de maior importância histórica do Município e nele já funcionou um colégio, um cinema, um pronto-socorro e um engenho de trigo e arroz, além de ter sido sede do primeiro CTG de Lavras do Sul, o CTG Ronda do Pampa, fundado em maio de 1957. Nas paredes, resistiram ao tempo pinturas feitas por Ricardo Camaquã junto a versos de Valdo Teixeira e Edilberto Teixeira (cujos versos eram assinados com o pseudônimo de Vinicius Valério). Parte do local é ocupada atualmente pela oficina mecânica do sr. Eloi Leivas; a parte restante em ruínas pertence a diversos cotistas e proprietários.

Um dos elementos da evolução populacional de Lavras do Sul foi a presença do antigo 13°RCI (Regimento de Cavalaria Independente), aquartelado em 1926 no Município sob forte influência de muitos cidadãos e políticos. Eram 19 prédios com uma vasta estrtura (este local situava-se no terreno do atual Hospital [Fundação Hospitalar Dr. Honor Teixeira da Costa]). A presença do 13 (apelido ao qual era chamado) trouxe, por 11 anos, muito progresso e desenvolvimento para Lavras do Sul, movimentando o comércio, hotéis e construção civil, além de a população ultrapassar a marca dos 10.000 habitantes. Porém, em 1937, o quartel se mudou para Jaguarão, uma amarga notícia para os lavrenses (calcula-se que pelo menos 2.000 pessosas ligadas ao 13 se mudaram do município).

O Grupo Escolar Pedro Américo (onde antes se situava o primeiro cemitério de Lavras do Sul até as primeiras décadas do século XX) foi construído em 1940 e inaugurado em 1941, na gestão do Dr. Bulcão, prefeito da época). Sua planta baixa é semelhante a de muitas instituições do Estado, dando a impressão de que foi cedida pelo mesmo. Oficialmente, em 1956, passou a se chamar Ginásio Estadual Licínio Cardoso e, nos anos 90, transformou-se na Escola Estadual Licínio Cardoso, que hoje atende cerca de 300 alunos.

No livro "Olhares da minha terra", de Gujo Teixeira, há a informação de que a jornalista e apresentadora Tania Carvalho morou numa casa da Rua João Bulcão, entre as ruas Santo Antônio e Tiradentes, de arquitetura simples, construída nos anos 1930 e comprada por Ramiro José Machado.

[1] Calendários Perpétuos. Disponível em: http://www.ghiorzi.org/caleperp.htm, acesso em 30/10/2009.

Evolução territorial de Lavras do Sul (destacada na área retangular durante a apresentação das imagens).