TRADICIONALISMO
e costumes locais


Literatura

CLIQUE AQUI E CONFIRA O VERBETE ESPECIAL

Entidades diversas

CLIQUE AQUI E CONFIRA O VERBETE ESPECIAL

Tradicionalismo


Desfile Farroupilha de 2013 - FOTO: Blog Roccana

O lavrense é, por excelência, um apaixonado por sua terra. Mesmo morando distante, não importando onde esteja, jamais perde o orgulho de ter nascido no Município.

A cultura gaúcha está bastante presente nos hábitos e costumes do povo de Lavras.

Até 2012, o principal centro tradicionalista de Lavras do Sul era o CTG Lanceiros do Batovi. Em 2013, teve início o CTG Querência das Lavras, que realiza jantares e atividades de dança tradicionalista infantil.

A cultura lavrense se dá em diversos hábitos, como a pausa para o descanso depois do almoço (o comércio, com algumas exceções, fecha entre 12h e 14h); os rodeios, realizados todo o ano, nos locais tradicionalistas, como a Associação José Benito Chiappetta (saída para Bagé), e outras pistas espalhadas pelo território lavrense; As músicas tradicionalistas, bailes com grupos e cantores regionais; e o hábito de andar a cavalo, inclusive na zona urbana.

Nos anos 2010, surgiu o CTG Querência das Lavras, organizado pela patroa Maria Regina de Azevedo Souza, que substituiu o CTG Lanceiros do Batovi. Ainda sem sede fixa, realiza tradicionais jantares e bailes no Clube Comercial, no Clube dos Subtenentes e Sargentos, além de manter um grupo de dança mirim.

Atualmente, são mais de 20 PTG's (Piquetes Tradicionalistas) atuando no Município. Alguns deles abaixo:

* PTG Querência Xucra
* PTG Companhia do Laço
* PTG Coração de Potro
* PTG Lida Campeira
* PTG Marca de Casco
* PTG Tapera Velha
* PTG Lenço Amarelo
* PTG Ibareense

Os churrascos e pratos a base de carne de boi e ovelha, feijão, arroz e salada, são as preferências para os almoços coletivos ou em família. Os restaurantes da cidade servem os mais variados pratos, entre ala minutas, xis, pizzas e bufês. Atualmente, Lavras do Sul tem duas churrascarias: a Churrascaria Freitas (fundada nos anos 1950) e a Center Churrascaria (fundada em fevereiro de 2017).

Um típico costume lavrense é o uso do cavalo. Os peões, muitos deles jovens, podem ser vistos com suas pilchas, botas, guaiacas e trajes típicos que caracterizam estes tipos humanos, que fazem Lavras e o RS possuirem a sua identidade e sua própria cultura.

O nativismo - variante de estilo musical gaúcho marcada por letras que exaltam a vida no campo - é bastante difundido no RS, sobretudo nas regiões de fronteira com a Argentina e o Uruguai e em cidades, como São Francisco de Paula, nos Campos de Cima da Serra (nordeste do Estado).

Lavras do Sul, por sua essência e natureza no Tradicionalismo e na cultura gaúcha, projeta diversos compositores nativistas, todos de renome na cena tradicionalista regional, estadual e, até mesmo, nacional. As composições, que refletem temas ligados à lida do gado, ao campo, ao inverno ou até homenagens a Lavras e suas belezas naturais, são reconhecidas e reproduzidas no cenário gaúcho e brasileiro da música produzida no Interior.

A seguir, alguns exemplos de compositores e músicos nascidos ou ligados a Lavras do Sul.

* Gujo Teixeira
* Zé Renato Borges Daudt
* Gustavo Teixeira
* Antonio Augusto Brum Ferreira (in memoriam)
* Mauro Ferreira
* Maria Esther
* Maria Alice Severo

Sotaque

O modo de falar de praticamente toda a população local é típico da região da Campanha e tem forte influência baseada na proximidade com as fronteiras dos países platinos (Argentina e Uruguai). A preposição "de", por exemplo, é pronunciada de forma tônica, assim como outras preposições que terminem com a vogal e ("Eu sou Lavras."; "Me alcança o mate, filho!").

Esta bela e peculiar linguagem lavrense causa admiração e simpatia por parte dos habitantes de outras regiões gaúchas e brasileiras, e também na Grande Porto Alegre.

Regionalismos

Diferentemente das gírias (que são efêmeras e pertencentes a uma dada época), os regionalismos são expressões locais que acabam enraizadas na linguagem cotidiana da população de um determinado lugar.

O lavrense utiliza diversas expressões oriundas do castelhano ou são adaptações e transformações de palavras de outros regionalismos, como Borracho (bêbado); pelego (couro de ovelha), bolita (bola de gude), pila (dinheiro), mandioca (em Porto Alegre, aipim), terneiro, bezerro (filhotes de gado), atracar (ir com muita vontade), e outras. É óbvio, também, que existem diversas gírias, entendidas apenas pelos nativos (o livro Lavras do Sul, na Bateia do Tempo, de Edilberto Teixeira, apresenta mais de 150, de diferentes épocas da história do município). Entretanto, pode-se estimar que o "dialeto lavrense" poder ter mais de 2 500 expressões.

Dança

Vídeo de Maria Cristina La-Rocca Silveira, meninos do Grupo Movimento Livre - OuroDança 2017

Atividade cultural crescente nos últimos anos no Município, a dança reúne e integra os jovens na sociedade. Alguns exemplos de grupos de dança são os seguintes: Companhia de Danças de Lavras do Sul, Grupo de Arte Nativa Herdeiros de Bravos, Grupo de Arte Nativa Tempo Guri, As Pepitas de Lavras, Boombox, Vem Dançar, The Little Girls, Grupo de Dança das APAE Lavras do Sul, Os Pequenos da Alegria e Movimento Livre, além de grupos das escolas, das entidades de Assistência Social e projetos de apoio à sociedade lavrense.

Coordenada atualmente por Anderson Rodrigues, a Companhia de Danças de Lavras do Sul completa, em 2015, 20 anos, com grandes apresentações pautadas no Folclore gaúcho e argentino. Já se apresentou em países da Europa e, em setembro de 2015, no Festival de Danças Folclóricas de Criciúma/SC, além de conquistar diversas certificações e prêmios ao longo de sua história.

Outro grupo de dança bastante crescente na cidade é o Grupo de Arte Nativa Herdeiros de Bravos. Coordenado pela jovem Mariana Duarte, é composto por bailarinos entre 11 e 15 anos de idade, que realizam apresentações e coreografias pautadas na música gaúcha. O Grupo abriu a Semana Farroupilha de 2015 com uma apresentação inovadora e bastante elogiada pelos lavrenses.

O Grupo Vem Dançar insere os jovens na dança e promove a valorização dos mesmos. Foi fundado em 2005 e atualmente é comandado por Ane Rose Lopes Silva.

De um modo geral, os demais grupos citados também contribuem de forma valiosa para o desenvolvimento e o crescimento da dança em Lavras do Sul.

As Bandas Marciais das escolas lavrenses crescem a cada ano, encantando o público em suas apresentações. As bandas das escolas José Bernardo de Medeiros, Licínio Cardoso, Dr. Cláudio Teixeira Bulcão, Maria Joaquina de Menezes, I.E.E. Dr. Bulcão e Dr. Crispim Raymundo de Souza são as mais atuantes nos eventos da cidade, sobretudo no Desfile Cívico anual de 7 de Setembro, além de participarem de eventos isolados. As balizas encantam o público com suas coreografias, enquanto que os componentes instrumentistas das bandas executam músicas do passado e do presente com muita maestria, surpreendendo e retirando elogios dos lavrenses.

Realizado todos os anos, entre abril e maio, o OuroDança, que reúne apresentações de artistas e dançarinos de dentro e de fora de Lavras do Sul, é uma grande festa que promove muita energia e alto astral nas dependências do Ginásio Municipal de Esportes Fernando Pellizzer Teixeira

Futebol

Troféus da Sociedade Esportiva Independente na Exposição Somos Trinta - Foto: Murilo Góes
Lavras do Sul, assim como todo o Brasil, é amante do esporte mais popular do mundo.

Segundo pesquisa do site Globoesporte.com, realizada em 2015, Lavras do Sul é considerado, a partir da base populacional e das redes sociais, o município com maior número proporcional de torcedores do Internacional (mais de 42% da população); no entanto, há também uma grande e considerável comunidade de torcedores do Grêmio na cidade, que cresceu nos últimos 20 anos.

Dois jogadores de Lavras do Sul (Carlos Kluwe e Alfeu Cachapuz Batista) fizeram parte do chamado "Rolo Compressor" do Inter, nos anos 1940/50, o que talvez explique a maior quantidade proporcional de torcedores apontada pela pesquisa do site citado anteriormente.

Em 1995, o Grêmio jogou um amistoso em Lavras do Sul, com boa parte dos titulares da época, vencendo no Estádio Municipal Adão Teixeira a seleção lavrense por 3 a 1.

Além de gremistas e colorados, podemos encontrar também, de forma mais recente, alguns torcedores do Corinthians na cidade.

O futebol local teve a realização, nas décadas de 1950 a 1980 e entre 2010 e 2013, do Campeonato Municipal de Futebol de Campo. Nos anos 50 e 60, Lavras do Sul tinha grandes equipes, como o Vasco da Gama, o Cruzeiro e o Grêmio Esportivo Lavrense. Mais recentemente, tivemos o TM Sports, Ughine, Bar do Vitor, Penharol, Vasco, Ibaré, São Sebastião e Taboleiro.

O futsal também tem equipes eficientes na cidade. A Game House, que fez uma pausa em suas atividades em março de 2016, conquistou títulos diversos em torneios realizados no Ginásio Municipal de Esportes Fernando Pellizzer Teixeira.

A Sociedade Esportiva Independente atua desde 1985, sem fins lucrativos, promovendo trabalho voluntário e socioeducativo para jovens lavrenses. Conta atualmente com 150 atletas a partir de 6 anos de idade, não cobrando mensalidade e promovendo acolhida a todos (ao todo, mais de 2.000 atletas já passaram pela equipe). Em 2017, realizou a exposição Somos Trinta, em um espaço na Rua João Bulcão, sobre a trajetória e o legado do clube para a sociedade lavrense.

Torneio Interblocos

Segundo o professor de Educação Física, Felipe Monteiro, numa entrevista concedida à Pepita FM, em fevereiro de 2009, o Torneio Interblocos pode ser considerada a "Copa do Mundo de Lavras".

Os principais blocos da cidade disputam um movimentado campeonato de Futebol de Areia, que atrai toda a população para o Camping Municipal, sempre no fim-de-semana anterior ao Carnaval. Com alegria, animação, música e até algumas rivalidades, mas tudo com harmonia e um clima pré-carnavalesco, o Interblocos é, sem dúvida, um grande festa do verão lavrense.

O Bloco Vira Lata foi o campeão nos dez primeiros anos de sua realização. Em 2008 e 2009, a vitória foi do Vae de Qualquer Geito (VG). Em 2010, o vencedor foi o Bloco Bloco. Em 2011, novamente o VG; em 2012, o Grupo dos Relaxados; em 2013, 2014 e 2015, o Bloco Baita Fogo; e, em 2016, o Bloco Vira Lata. Na versão feminina do Interblocos, de 2013 a 2015, o VG foi o bloco vencedor; em 2016, as vencedoras foram do Bloco Vira Lata.

Semana Farroupilha

O Dia 20 de Setembro é o Dia do Gaúcho, data alusiva à Revolução Farroupilha. Todos os anos, os desfiles farroupilhas acontecem na Rua Dr. Pires Porto, tradicionalmente, sempre à tarde. Cerca de 1.500 cavalarianos distribuídos em mais de 20 piquetes tradicionalistas gaúchos (PTG's) enaltecem as tradições da nossa terra.

A caráter, peões e prendas celebram as tradições com atividades que duram uma semana, em setembro, e culminam com o Desfile Farroupilha (em 2015 este não foi realizado devido a epidemia de mormo, doença que atinge cavalos, mas em 2016, o desfile voltou a sua normalidade).

Na semana seguinte à Semana Farroupilha da Sede Municipal (sempre realizada no Galpão Crioulo da Praça das Bandeiras), acontece a Semana Farroupilha do Ibaré, com diversas atividades típicas, movimentando o Segundo Distrito. O desfile da Sede, no dia 20 de setembro, é realizado nas ruas centrais de Lavras do Sul, entre elas a Rua Dr. Pires Porto; na via principal do Ibaré, no domingo posterior ao 20 de setembro, ocorre o desfile da Semana Farroupilha local.

Chimarrão

Conhecido localmente como "mate", o chimarrão não pode faltar nas rodas de amigos; nas manhãs e finais de tarde; sendo consumido pelos funcionários dos estabelecimentos; enfim, nas mais diversas situações, a bebida típica do Rio Grande do Sul está sempre presente. Amarga e quente, une as pessoas e aumenta a integração, a hospitalidade e a união dos habitantes.

Periodicamente, nos finais de semana, são realizadas mateadas, grandes encontros onde dezenas de pessoas se reúnem para sorver um mate amargo, matar a sede da tradição e unir as pessoas. Geralmente, são realizadas na Praça das Bandeiras.

Youtube

A rede social de vídeos, criada em 2005, representa uma alternativa para quem quer buscar conteúdos de vídeo e, em muitos casos, substitui a televisão, especialmente para o público jovem.

Em 2014, o jovem João Victor Severo foi o pioneiro a trazer a cultura do canal do Youtube para os lavrenses, através do Orelha TV, que hoje tem mais de 13 mil inscritos.

Numa palestra realizada na Casa de Cultura José Néri da Silveira, em 2015, João Victor incentivou novos talentos da internet. Nos dias de hoje, não como negar que o Youtube é uma ferramenta bastante predileta pelos jovens e que permite a divulgação de vídeos (aliados às tecnologias do smartphone e das câmeras digitais) e à fácil geração de conteúdo. Assim, diversos jovens da cidade passaram a contar histórias pelo Youtube.

Alguns youtubers de Lavras do Sul
  • Alguns Minutos - Thayza Medeiros e Laíza Oliveira
  • Julia JM - Julia Jardim Menezes
  • Lavínia Rangel - Lavínia Rangel Camargo Saraiva
  • Tudo sobre o Mundo - Alessandra Souza (Lelê) e Guilhermina La-Rocca
  • Fran Rosa - Franciele Rosa
  • Flary Blaster - Leonardo Machado
  • Ansioso Anthony - Anthony Romeu
  • Scrill - Rossano Teixeira Cezar
  • Dah. B. Saraiva - Daniela Saraiva
  • Canal TeMac - Manuella Teixeira
  • Canal Orelha - João Victor Severo
  • Veja a homenagem que o youtuber Elzinga fez de Lavras do Sul em abril de 2017, tudo, claro, com muita irreverência e bom humor, a partir dos relatos de seus colaboradores.

    Lendas e Histórias

    Lenda da Cigana

    Segundo o livro "Olhares da Minha Terra", de Gujo Teixeira, a Lenda da Cigana se desenha da seguinte forma:

    Túmulo de Cigana, construído no Cemitério Municipal, a pedido dos chefes dos ciganos que estavam de passagem e acampados em Lavras, lá pelos idos de 1920. Abriga os restos mortais de uma menina cigana, que diziam ser muito bonita, graciosa, de olhos claros, muito cobiçada pelos homens solteiros da cidade. Conta a lenda que logo após o seu casamento ela foi morta, notícia que consternou os moradores do pequeno vilarejo. Soube-se que mais tarde, versando pelos códigos de honra dos ciganos, que ao noivo é permitido matar a sua esposa, caso ela não seja mais virgem. Os anos passaram e este sentimento enraizado na alma dos humildes segue numa consequente devoção. A simples cigana foi canonizada pelo povo; as mulheres oram e pedem fertilidade e que seus maridos deixem da bebida, e os homens pedem "macheza", depositando sobre o túmulo da cigana bebidas, flores, perfumes, fitas coloridas e toda sorte de oferendas, agradecedo as preces atendidas.

    O Holandês Misterioso

    No ano de 1990, foram encontrados no prédio do atual Sindicato Rural, na Pires Porto, 37 baús contendo objetos pessoais, livros em vários idiomas e diversos pertences. Anton Willen Isaac Dignus Bosch era javanês (ilha de Java, antiga colônia holandesa, atual Indonésia), era engenheiro e viajou pelo mundo com objetivos de pesquisa. Esteve em Lavras do Sul nos anos 1950, mas pouco compreendia o português. Pouco se sabe o porquê de sua presença em Lavras do Sul, apenas que tinha ligação com a atividade mineradora. Depois, se soube que ele nunca mais tinha voltado a Lavras do Sul para pegar seus pertences, deixando no ar a dúvida entre as pessoas sobre o desfecho desta história. Em 2007, a RBS TV fez uma investigação do caso e chegou à conclusão, em um episódio do "Histórias Extraordinárias", de que Mr. Bosch tinha uma filha na Holanda e que, a pedido dos demais filhos, o pai não retornou mais.

    Lenda da Noiva da Estrada

    Apaixonada por Carolino Anhanha, capataz de estância e ginete, a moça rica já havia também o enfeitiçado que certa vez, na cidade, quando a avistou, com o seu laço a prendeu na armada, como forma de demonstrar o seu sentimento por ela. Passado certo tempo soube-se que a moça, antes do seu casamento, forçada por seu pai, havia bebido veneno por não recusar a união. Segundo a lenda, ao passar pelo Passo do Lagoão (estrada Lavras/São Gabriel), nas noites de lua cheia, surgia uma moça de vestido branco para assustar a quem passasse por ali. Certa vez, Carolino havia bebido de foma excessiva e, de passagem pelo local, seu cavalo se assustou com um vulto que veio da sombra das árvores; meio tonto, Carolino caiu e ficou desacordado; no corpo caído, um carro passou acidentalmente. Esta é uma história muito corrente nos galpões de estâncias. Muitos acendem velas e deixam garrafas de bebida, para fins de homenagem. Ainda, segundo a lenda, dizem que todo amor contrariado vira assombração em noites de lua cheia.

    2017 - Murilo de Carvalho Góes - Todos os direitos reservados